O Amor nunca corre!

Houve um tempo em que numa ilha muito pequena, chamada “paraíso”, viviam os sentimentos como vivem hoje na terra. Nesta ilha, Amor, Tristeza e todos os outros sentimentos viviam em harmonia. Um dia em um daqueles que a natureza parece ser ruim, o Amor acordou com medo achando que sua ilha estava sendo inundada.

Mas ele rapidamente esqueceu o Medo e cuidou que todos os sentimentos fossem salvos. Todos correram e pegaram seus barcos e escalaram uma alta montanha, onde puderam ver a ilha sendo inundada, mas não em perigo.

Só o Amor não se apressou, o Amor nunca corre. Ele queria ficar um pouco mais em sua ilha, mas quando estava quase se afogando, lembrou que não deveria morrer. Então ele correu na direção dos navios que saíram e gritou por socorro.

A Riqueza, ouvindo seu grito, respondeu que não poderia aceitar porque, com o ouro e a prata que levava, temia que seu navio afundasse.

Em seguida, a Vaidade passou, que também disse que não poderia ajudá-lo, uma vez que o Amor se tornou sujo ajudando os outros. Ela, a Vaidade, não suportava a sujeira.

Atrás da Vaidade veio a Tristeza que era tão profunda que não queria ser acompanhada por ninguém. A Felicidade também passou, mas ela estava tão feliz que não ouviu a súplica do Amor.

Sem Esperança, pois já havia partido, o Amor sentou na última pedra que ainda era visível na superfície da água e começou a chorar.

Seu choro foi tão profundo que chamou atenção de um velho que passou com seu barco. O velho tomou Amor em seus braços e levou-o para a montanha mais alta, junto com os outros sentimentos.

Recuperado, o Amor perguntou a Sabedoria quem era o velho que o ajudou … o que ela respondeu … “o Tempo” … Amor questionou: … “Por que só o Tempo poderia me trazer aqui? “… a Sabedoria então respondeu:

“Porque só o Tempo tem a capacidade de ajudar o Amor a alcançar os lugares mais difíceis” …

image_pdfDownload do Textoimage_printImprimir Texto